O PODER DA BONDADE DE DEUS NOS AJUDANDO A FAZER SUA VONTADE

(Textos Bíblicos Rm 2.4, Rm 10.12 e Mt 26.41)

O assunto é relevante, pois, são dias de dor, perda e consciência da nossa fragilidade. É tempo, também, de mudanças profundas dos valores éticos, de transição de governo, e início de ano, onde refletimos sobre nossos planos, prioridades, desafios e fatos inaceitáveis que devemos deixar. Por outro lado, refletirmos sobre o que devemos abraçar, retomar, recuperar para toda vida e não abrir mão nunca mais.

Nesse sentido temos alvos como Corpo de Cristo, fazendo todo esforço e até sacrifícios para colocarmos o Reino de Deus em primeiro lugar. Por isso, escolhemos como tema deste ano: CRESCENDO EM ORAÇÃO e o nosso lema é: BUSCANDO A DEUS DE TODO CORAÇÃO, ALCANÇANDO E EDIFICANDO VIDAS. Cremos que nesse tema e lema temos o ideal de Deus para nós.

O poder da bondade de Deus tem agido para salvar todo aquele que se afastou de Sua vontade, não estou falando somente de abandono total da fé ou da igreja, mas falo de “pequenos desvios”, que dentre tantos fatores destaco o pecado da incredulidade e da desobediência diante da vontade de Deus. Veremos, algumas dicas para fazermos sempre, e com todo amor e louvor, a vontade desse grande Deus amoroso e como ele age para recuperarmos e consolidarmos a intimidade perdida com Ele.

Precisamos lembrar inicialmente, que Deus Pai tem um sonho para todos que nasceram de novo em Jesus e receberam o dom da fé como nosso pai Abraão: Gênesis 12:1-3 Deus tem o seu sonho, seu propósito, e vai lutar por tudo que nos envolve, pois temos o que ele pôs em nós para cumpri o propósito, e Ele não quer desperdiçar o investimento da unção, capacitação e o poder que nos deu por amor e graça.

Uma das pessoas que Deus vai usar para trazê-lo ao centro da sua vontade, são seus líderes, seus pastores (Leia Hb 13.17), ou, simplesmente agir através de outro alguém, em circunstâncias diversas e adversas. Ele pode, ainda, trazer um tempo determinado de tribulação para seu arrependimento, sua “ressurreição dos mortos”, e socorrê-lo se você estiver fora de SUA VONTADE ou fora do lugar de intimidade com Ele (Nesse contexto, para mim, intimidade tem a ver com escolher todo dia e o dia todo a vontade de Deus).

Sobre a incredulidade e a desobediência à vontade de Deus, vejamos o caso de duas pessoas que estavam saindo do centro da Sua vontade. Foram dois discípulos que escolheram ir para um lugar chamado Emaús (Águas quentes, lugar de descanso (leia em Lc 24.13-35 / Mc 16.12-13). O contexto dessa história era o seguinte: Era domingo, o terceiro dia após morte e sepultamento de Jesus, um dia de expectativas e medo, pois ele disse que ressuscitaria ao terceiro dia e os romanos e judeus estavam vigiando o túmulo e fazendo tudo para impedir isso, algumas mulheres vão ao sepulcro, que estava vazio e 2 anjos perguntam: “Por que procuram entre os mortos aquele que vive?” Elas correm para contar aos apóstolos. Mas, eles não acreditaram nelas, as palavras delas lhes pareciam loucura (ver Lc 24.11; Mc 16. 9-11).

Emaús estava cerca de 11 quilômetros de Jerusalém, não parecia tão longe da vontade de Deus, mas, Jesus havia orientado e sinalizado que eles permanecessem em Jerusalém até serem revestidos de poder, porém, esses dois desobedeceram à orientação de Jesus.

Mas, Jesus foi atrás deles e lhes apareceu em outra forma e eles não o reconheceram, ainda que seus corações ardiam ou queimavam enquanto Jesus lhes expunha as ESCRITURAS. Será que Jesus tem aparecido para nós em outras formas para nos resgatar, para nos levar de volta ao centro de sua vontade? À intimidade com Ele, à comunhão do corpo, à missão que ele nos deu? Esses dois discípulos tinham se isolado da comunhão do grupo, mesmo sendo dois, eles estavam longe do corpo, da igreja. E Jesus, após ir atrás deles, entrou em suas casas. Foi nesse momento que Jesus resgatou neles o sentido do chamado e do propósito de Deus. Não somente para eles, mas, para eles como parte daquele grupo que seria batizado no Espírito Santo (os 120 de Atos 1.15 e 2.1-4) e que se tornaria a primeira igreja cheia do Espírito na terra para cumprir o IDE de Jesus. A palavra diz que, depois de tudo isso eles voltaram imediatamente (NA MESMA HORA) para o lugar onde Jesus já lhes havia determinado (Lc 24.33).

Aqueles discípulos, saíram de Jerusalém por estarem frustrados, pois, não creram no testemunho das pessoas que já haviam visto Jesus ressuscitado. Era como se Jesus tivesse falhado, mas a falha que os cegou foi a própria incredulidade deles. Eles precisavam ver para crer ao invés de crer para ver. Ler Lc 24.21-26

Jesus deixou claro em toda Escritura Sagrada que todos podem fazer a vontade de Deus e serem usados para salvação dos seres humanos.

Será que nós temos nos colocado em rotas de fuga ou na contramão da vontade de Deus?